Laten we beginnen. Het is Gratis
of registreren met je e-mailadres
Parnasianismo Door Mind Map: Parnasianismo

1. O que foi

1.1. O Parnasianismo foi um movimento literário, que surgiu na França, na metade do século XIX.

2. Os principais representantes do parnasianismo brasileiros

2.1. Alberto de Oliveira (1857-1937): foi poeta, professor e farmacêutico. Autor de “Canções Românticas”, “Meridionais”, “Sonetos e Poemas”, “Versos e Rimas”.

2.2. Olavo Bilac (1865-1918): foi um jornalista, contista, cronista e poeta brasileiro, além disso, foi considerado o principal representante do parnasianismo no país. Autor de “Poesias”, “Poesias Infantis”, “Tarde”, “Crônicas e Novelas”, “Ironia e Piedade”, entre outros.

2.3. Raimundo Correia (1850-1911): foi juiz e poeta brasileiro. Autor de “Primeiros Sonhos”, “Sinfonias”, “Versos e Versões”, “Aleluias”, “Poesias”, “Lucindo filho”.

3. Objetivo

3.1. O principal objetivo desse movimento é a criação de “poesias perfeitas”, valorizando a forma e a linguagem culta.

4. Características

4.1. - Valorização da metrificação: o mesmo número de sílabas poéticas era usado em cada verso;

4.1.1. - Uso de linguagem rebuscada e vocabulário culto.

4.2. - Valorização da estética e busca da perfeição. A poesia era valorizada por sua beleza em si e, portanto, deveria ser perfeita do ponto de vista estético;

4.2.1. - Preferência pelos sonetos;

4.2.2. - Uso e valorização da descrição das cenas e objetos.

4.3. - Temas da mitologia grega e da cultura clássica eram muito frequentes nas poesias parnasianas;

4.3.1. - Impessoalidade: a visão do escritor não interferia na abordagem dos fatos;

4.4. Objetividade no tratamento dos temas abordados. O escritor parnasiano tratava os temas se baseando na realidade, deixando de lado o subjetivismo e a emoção;

4.4.1. - O poeta evitava a utilização de palavras da mesma classe gramatical em suas poesias, buscando tornar as rimas esteticamente ricas;

5. Parnasianismo no Brasil

5.1. O Parnasianismo no Brasil teve como marco inicial a publicação da obra "Fanfarras", de Teófilo Dias, em 1882.